Dr. Silvio Gabor

Especialista em Gastroenterologia e
Cirurgia do Aparelho Digestório
Tel: (11) 3064-7088 | (11) 2339-7507



Megaesôfago



O Megaesôfago é uma dilatação crônica e progressiva do esôfago, que leva a alterações na sua função de transporte do alimento deglutido até o estômago. Nessa doença existe destruição de nervos do órgão levando a uma falha na abertura do músculo cárdia (músculo da região da transição do esôfago para estômago) que fica permanentemente contraído, impedindo a passagem do alimento de um órgão para o outro. Com o represamento da comida no esôfago, esse passa a dilatar-se. Os pacientes apresentam emagrecimento importante, uma vez que não conseguem alimentar-se adequadamente.

No Brasil, a causa mais comum, mas não a única, é a Doença de Chagas, causada pelo Trypanossoma cruzi, um parasita transmitido pelo inseto Barbeiro.

No início os pacientes referem desconforto torácico durante as refeições. Depois passam a ter dificuldade de engolir (disfagia) alimentos sólidos e com a progressão da doença passam a ter disfagia aos líquidos. Esse processo de piora pode levar vários anos.

O diagnóstico é feito pela história clínica da disfagia e do emagrecimento. Pacientes de zonas endêmicas da Doença de Chagas tem a suspeita clínica reforçada. Exames de sangue podem mostram anemia e a presença da Doença de Chagas (teste de Machado e Guerreiro) se ela existir. Exames de imagem como raios-X contrastado de esôfago e estômago, endoscopia e manometria esofágica irão confirmar o diagnóstico do megaesôfago.

O tratamento visa devolver ao paciente sua capacidade de engolir. Nas fases iniciais, dilatação do músculo cárdia por via endoscópica é suficiente e pode ser repetida de acordo com a necessidade. Nos casos mais avançados o tratamento é cirúrgico, que vai desde a secção do músculo cárdia, para que ele fique aberto e permita a passagem dos alimentos, até a remoção parcial ou total do esôfago e sua substituição por segmentos de intestino ou do estômago. Esses procedimentos cirúrgicos podem ser feitos por métodos tradicionais (cirurgia aberta) ou por laparoscopia.