O-Que-e-Refluxo-Gastroesofagico

A Doença do Refluxo Gastroesofágico ou Gastro-Esofageano (DRGE) pode ser definida como o “retorno ou escape do conteúdo ácido do estômago ao esôfago”. No artigo de hoje vamos conversar justamente sobre o que é o refluxo Gastroesofágico!

O Grande Problema do Refluxo Gastroesofágico:

O problema é causado por falhas nos mecanismos de contenção do ácido, entre os quais tem muita importância o  Esfíncter Inferior do Esôfago (EIE), uma espécie de anel que impede o retorno dos alimentos (popularmente conhecida como “válvula do estômago”).

Alguns fatores podem torná-lo frouxo com o passar do tempo e causar essa falha, entre eles estão o cigarro, o consumo excessivo de álcool, obesidade, abuso de alguns medicamentos e a Hérnia de Hiato. Comumente, acontece no período gestacional.

A Hérnia de Hiato do Diafragma é a causa mais comum da Doença do Refluxo Gastro-Esofágico.

Causas

Os sintomas são fáceis de reconhecer. Incluem a famosa azia, que consiste na sensação de queimação que vai do estômago à garganta e, a regurgitação, que às vezes pode até trazer os alimentos ingeridos de novo para a boca.

Outras queixas bastante comuns são tosse seca, rouquidãos e sinusites de repetição, necessidade de dormir sentando para não acordar com sensação de sufocamento, entre outros.

Se os sintomas aparecerem duas ou mais vezes na semana, é preciso procurar um médico para investigar a origem do problema. A DRGE é, atualmente, uma doença comum e faz parte do cotidiano de grande parte da população.

Sintomas

O diagnóstico da Doença do Refluxo Gastro-Esofageano pode ser feito pela endoscopia ou da Phmetria (exame que identifica o ácido que retorna para o esôfago). A hipotonia (fraqueza) do EIE é avaliada pela manometria esofágica.

Tratamentos:

Os tratamentos podem ser feitos de duas formas: através de medicamentos ou de cirurgia. O tratamento clínico inicia-se com mudanças de hábitos. É fundamental evitar o fumo, bebidas, controlar o peso e cuidado com alguns tipos de exercícios físicos.

SIntomas

Reeducar a alimentação comendo menores quantidades e não ficar muitas horas sem alimentar-se. De maneira nenhuma ir deitar-se após alimentação. Medicamentos que diminuam ou combatam o ácido gástrico são sempre usados.

Os inibidores da bomba de prótons (IBP), os procinéticos, os antagonistas de H2 e os anti-ácidos são indicados com muita frequência aos pacientes com DRGE.

Quando é necessário recorrer à cirurgia, o esfíncter inferior do esôfago recebe um reforço que vai ajudá-lo a trabalhar corretamente, controlando o refluxo após as refeições. Além disso, a cirurgia também corrige a hérnia de hiato.

Cirurgia como tratamento

A Doença Evolui?

A Doença do Refluxo Gastro-Esofágico precisa ser tratada adequadamente, pois pode evoluir com complicações que apresentam vários níveis, como ferimentos leves ou mais graves na camada que reveste o internamente esôfago. Alguns casos pode se transformar em câncer.

O Instituto Nacional do Câncer (Inca) não divulgou os números de casos de câncer relacionados com a DRGE, mas ao todo, mais de dez mil casos de câncer de esôfago devem ser detectados ainda no ano de 2014. Em 2011, foram mais de sete mil mortes em decorrência desse tipo de neoplasia.

O problema acomete principalmente os homens, sendo o 3º câncer mais frequente. Já entre as mulheres, ocupa a 15ª colocação. Se for considerada apenas a Doença do Refluxo Gastro-Esofágico, sem levar em conta a possibilidade de evolução, os homens ainda são as principais vítimas do problema.

Contato Dr. Silvio Gabor

Entre em contato com o Dr. Silvio Gabor

Deixe sua mensagem!